quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Rio Tejo - Belém


24 de março de 1938

Em treino, o hidroavião Blackburn Shark IIA, da Aviação Naval Naval Portuguesa, com a matricula 5, encontrava-se naquela fatídica manhã a sobrevoar o Tejo em voo de treino junto à doca de Santo Amaro, quando por uma falha estrutural se despenhou no Tejo, arrastando para a morte o piloto Tenente António Gonçalves.

Prontamente socorridos por embarcações que se encontravam no rio, foram resgatados das águas o mecânico Joaquim Palma e o telegrafista Joaquim Nascimento.




Exerto da notícia do Diário de Lisboa

Parte da frota do Blackburn Shark na Aviação Naval

Blackburn Shark
  
Modelo à escala 1/72 - Kit FROG - Construção própria

Fontes: Diário de Lisboa, Fundação Mário Soares, Sítios na Internet

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Rio Tejo - Barreiro


11 de agosto de 1944

Uma esquadrilha de 8 bimotores Bristol Blenheim da Aeronáutica Militar Portuguesa, deslocava-se sobre o rio Tejo naquela manhã de 11 de agosto de 1944, quando dois dos aviões da esquadrilha colidiram em frente ao Barreiro sobre o designado ostral da palha.

Um deles, o Bristol Blenheim MK VT, com a numeração portuguesa 261 e o código ZE – A, precipitou-se no rio ocasionando a morte dos seus três tripulantes.

Faleceram no infausto acidente o Capitão Piloto Aviador José Ribeiro Ferreira, o segundo Sargento António Ventura Amorim e o 1º Cabo José Pinto.


Perfil do Bristo Blenheim MK VT da Aeronáutica Militar
 


Exerto da notícia do Diário de Lisboa
 

Fontes: Diário de Lisboa, Fundação Mário Soares  e outras fontes disponíveis na internet.